fbpx

Inspire-se

Um espaço para contar suas experiências e escutar experiências de outras pessoas sobre como têm usado o Grok e quais os resultados e benefícios colhidos.

Categoria
Treinamento e Diversidade
FacilitaçãoTrabalho e carreira

Eu utilizei o Grok em um treinamento de diversidade como forma das pessoas perceberem que cada um percebe e vive necessidades e sentimentos de uma forma diferente e que a diversidade não está apenas naquilo que os olhos estão vendo.
Pedi que ficasse em dupla e cada um recebeu uma carta de sentimento e uma de necessidade e cada um teria 10 minutos para falar como se relacionada com essa necessidade e com esse sentimentos. O papel do outro era apenas escutar, sem interromper ou questionar, pois a ideia era exercitar também a escuta e a conexão.
Ao final eles tinham que trazer para roda qual a percepção que tiveram ao observar a pessoa falando daquela necessidade e sentimento, o que era parecido e o que era diferente. Assim refletimos sobre o quanto precisamos nos abrir para a escuta antes de julgar ou rotular.

Enviado por: Aline Lima
Ambiente usado / Área de atuação: Educadora Emocional e Designer de Experiências
É um bom recurso terapêutico
Psicologia

Muitas vezes utilizo as cartas como ferramenta para conversas com crianças e, principalmente, adolescentes. Como exemplo : como você tem se sentido esses últimos dias ? Do que está precisando ? Escolha X números de cartas . E essa escolha vira um bom

método de construção de vínculo para os que têm pouco hábito de conversar,  trocar ideias ou refletir. Tbem já usei as cartas em atendimentos em grupo. Lanço mão das cartas em vários momentos e situações nos atendimentos em saúde mental.

Enviado por: Marília
Ambiente usado / Área de atuação: Psicologia
Grupo com adolescentes vítimas de violência
Educação

Utilizamos o Grok nos grupos com adolescentes vítimas de violência no CREAS.
Observamos que eles apresentaram conteúdos mais detalhados sobre eventos passados do que com estratégias anteriormente utilizadas.

Enviado por: Erica Estevam
Ambiente usado / Área de atuação: Assistente social
O Grok na transformação da comunicação
Grok sozinho

Adquiri o Grok para o uso pessoal nos trabalhos que sou convidado. Porém incorporei o seu uso no Treinamento “Comunicação nas relações de trabalho” o qual sou responsável na Santa Casa.

Foram mais de 20 turmas e aproximadamente 450 pessoas impactadas, graças ao Grok recebemos devolutivas como: “Foi o treinamento que mudou a minha vida”, “Após o treinamento eu mudei completamente, não só no trabalho, mas em casa também”.

É gratificante ser responsável pela condução deste trabalho, mas o Grok tem grande responsabilidade neste processo.

Obrigado a Colibri por proporcionar isso a nós.

Enviado por: Kedman Elliaquim
Ambiente usado / Área de atuação: Gerente de Desenvolvimento de Pessoas - Santa Casa de Marília
Joguei com minha mãe e tivemos mais abertura emocional
Relações

Já joguei umas 2 vezes sozinho e uma com minha mãe. Todas as vezes foram bem positivas, principalmente com a minha mãe, pudemos nos abrir mais emocionalmente um para o outro e pude integrar melhor questões minhas quando joguei só!

Enviado por: Lucival C.
Ambiente usado / Área de atuação: -
Grok como aliado de nossa prática pedagógica
Educação

Estamos muito contentes com as possibilidades de utilização do Grok!

Gostaríamos de compartilhar o relato de utilização do jogo junto a equipe pedagógica do Instituto Crescer Legal, a partir de Março/20 passaremos a utilizar o Grok com os jovens que participam dos programas sociais do Instituto.

Tivemos conhecimento acerca do jogo GROK durante uma formação realizada por uma das colaboradoras da instituição. No nosso trabalho, abordamos diversos aspectos relacionados com a Comunicação Não Violenta, com isso, acreditamos que o jogo poderia ser um aliado de nossa prática pedagógica, visto que ele permite uma comunicação mais eficaz em relação às necessidades e sentimentos dos participantes, no nosso caso, jovens do meio rural.

Afim de testar as possibilidades da utilização do mesmo, realizamos a experimentação dos diferentes formatos durante o primeiro encontro com o grupo de educadores, após o recesso. Primeiro, nos familiarizamos com as cartas de necessidades e depois de sentimentos, seguindo os modelos do manual que acompanha o jogo. Posteriormente, cada integrante, coordenou uma atividade com o uso do GROK, aplicando com os demais colegas do grupo. Surgiram várias discussões bacanas acerca das possibilidades de utilização do mesmo, além de ser essencial para podermos utilizar dessa ferramenta com mais eficiência com os jovens. Foi muito interessante observar o quanto muitas vezes não soubemos nomear os sentimentos e/ou necessidades que temos, mesmo que pareçam óbvios.

Algumas possibilidades que surgiram em relação a familiarização do jogo:

  • Antes de iniciarmos o jogo, mapear os sentimentos e necessidades que o grupo conhece.
  • Iniciar a utilização com as palavras que eles conhecem e posteriormente ir pesquisando sobre outros sentimentos e necessidades, ampliando o vocabulário dos envolvidos.
  • Elaborar um glossário acerca dos sentimentos e necessidades do grupo.
Enviado por: Daniele Trintin de Oliveira (Instituto Crescer Legal)
Ambiente usado / Área de atuação: Educação de jovens aprendizes do meio rural