Inspire-se

Um espaço para contar suas experiências e escutar experiências de outras pessoas sobre como têm usado o Grok e quais os resultados e benefícios colhidos.

Categoria
Filtrar depoimentos
Grok para um Renascer lúdico!

Crio e me inspiro por caminhos lúdicos e criativos de autoconhecimento. Como terapeuta em Renascimento e Ciência do Início da Vida, com bases num Autodesenvolvimento Lúdico-Criativo, encontrei no Grok um apoio leve e divertido para meus clientes acessarem conscientemente o que as sessões fazem emergir do campo inconsciente. Assim que o adquiri, em 2019, passei a incorporá-lo principalmente ao final de jornadas de atendimentos, para que a autodescoberta e a autonomia no caminho terapêutico fossem uma conquista prazerosa do sentir e assim tem sido. 

Ainda que o caminho frequencial terapêutico traga resultados efetivos, noto com o Grok o quanto a percepção, a identificação e a consciência do que cada cliente sente e lhe é importante, no campo sendo cuidado, fazem uma grande diferença no aprendizado do escutar-se, cuidar-se e amar-se.  Vejo que o Grok ajuda a materializar, nos encontros, a descoberta curadora do “eu posso sentir, finalmente!”, que o Renascimento traz como conquista vibracional.

Para cada contexto terapêutico, brinco de criar convites diferentes de uso do Grok, seja no início das jornadas para perceberem que em geral não conseguem acessar o sentir (e não é apenas por falta de repertório); durante as mesmas, para  irem acompanhando as mudanças sendo realizadas internamente ou mesmo ao final, ao darem-se conta do quanto o contato com o sentir pode ser expresso para si mesmo e para o outro. Isso é um super apoio que recebo ao atuar profissionalmente como terapeuta junto ao Grok! Sou super grata por o terem criado!

Como o utilizo também em autoempatia e escuta no meu relacionamento afetivo, sigo recomendando-o por sentir o quanto me apoia e apoia outros no caminho do autoconhecimento. Autoconhecer-se com ludicidade é maravilhoso! 

Daniellla Gomes

 

Enviado por: Daniellla Gomes
Ambiente usado / Área de atuação: Terapeuta em Renascimento e Ciência do Início da Vida
Hoje foi dia de grupo terapêutico com os adolescentes e trabalhamos o tema do suicídio
Facilitação

Hoje foi dia de grupo terapêutico com os adolescentes e trabalhamos o tema do suicídio.

Depois do depoimento corajoso de uma integrante que já tentou se matar, fizemos juntos o exercício de colocar no centro os sentimentos que cada um acredita que esteja presente quando alguém pensa em pôr fim à vida.

Ao redor, foram colocadas cartas que o grupo associou às necessidades não atendidas que podem estar por trás da vontade de morrer.

Não estava planejado usar desta forma o jogo, mas fez sentido. Ajudou na compreensão da importância em reconhecer os próprios sentimentos e necessidades, tanto como fator de proteção, quanto como ferramenta para pedir ajuda.

Enviado por: Lívia B.
Ambiente usado / Área de atuação: Educação
Treinamento e Diversidade
FacilitaçãoTrabalho e carreira

Eu utilizei o Grok em um treinamento de diversidade como forma das pessoas perceberem que cada um percebe e vive necessidades e sentimentos de uma forma diferente e que a diversidade não está apenas naquilo que os olhos estão vendo.
Pedi que ficasse em dupla e cada um recebeu uma carta de sentimento e uma de necessidade e cada um teria 10 minutos para falar como se relacionada com essa necessidade e com esse sentimentos. O papel do outro era apenas escutar, sem interromper ou questionar, pois a ideia era exercitar também a escuta e a conexão.
Ao final eles tinham que trazer para roda qual a percepção que tiveram ao observar a pessoa falando daquela necessidade e sentimento, o que era parecido e o que era diferente. Assim refletimos sobre o quanto precisamos nos abrir para a escuta antes de julgar ou rotular.

Enviado por: Aline Lima
Ambiente usado / Área de atuação: Educadora Emocional e Designer de Experiências
O Grok na transformação da comunicação
Grok sozinho

Adquiri o Grok para o uso pessoal nos trabalhos que sou convidado. Porém incorporei o seu uso no Treinamento “Comunicação nas relações de trabalho” o qual sou responsável na Santa Casa.

Foram mais de 20 turmas e aproximadamente 450 pessoas impactadas, graças ao Grok recebemos devolutivas como: “Foi o treinamento que mudou a minha vida”, “Após o treinamento eu mudei completamente, não só no trabalho, mas em casa também”.

É gratificante ser responsável pela condução deste trabalho, mas o Grok tem grande responsabilidade neste processo.

Obrigado a Colibri por proporcionar isso a nós.

Enviado por: Kedman Elliaquim
Ambiente usado / Área de atuação: Gerente de Desenvolvimento de Pessoas - Santa Casa de Marília
Joguei com meu filho de 7 anos e foi delicioso ouvi-lo e compartilhar o que sinto
Relações

Joguei 2 vezes com meu filho de 7 anos. Na primeira vez, ele que lê somente caixa alta, pedia que eu lesse para ele. Usamos somente a carta de sentimentos e foi delicioso ouvi-lo e compartilhar com ele o que sinto.

Passaram alguns dias e ele me pediu para jogar novamente. Desta vez ele já tentou ler as palavras e quis usar as cartas das necessidades, mas não conseguimos desenvolver.

De toda forma, estes momentos de atenção mútua sem eletrônicos, foi otima!

Enviado por: Márcia P.
Ambiente usado / Área de atuação: -
Intervenção individual - adolescente atendido na GEAMA

Apresentamos a proposta do jogo “Grok” (doado pela empresa Colibri, como estratégia de intervenção para abordagens relacionadas à Comunicação Não Violenta), com a ideia de exercitar a prática de nomeação de sentimentos, facilitando as relações e a comunicação daqueles, de forma mais clara. O adolescente sorteava as cartas de sentimentos e a equipe exemplificava com uma situação na qual “se sentiria assim…”. O adolescente precisava indicar qual sentimento acreditava ser e dar também um exemplo no qual teria se sentido dessa maneira.  Tal dinâmica se deu em decorrência de analfabetismo do atendido. Notou-se que o socioeducando possui habilidades de narração, descrição e comparação. No entanto, o adolescente não conseguiu fazer o exercício de nomear os sentimentos, trazendo novamente limitações na prática de abstração. Ainda assim, percebe-se uma maior vinculação à equipe com a prática de se expressar e falar sobre suas vivências.

Enviado por: Manuela Soares Silveira
Ambiente usado / Área de atuação: Assistente Social do Sistema Socioeducativo