Inspire-se

Um espaço para contar suas experiências e escutar experiências de outras pessoas sobre como têm usado o Grok e quais os resultados e benefícios colhidos.

Categoria
Filtrar depoimentos
Minha experiência com GROK
Trabalho e carreira

Realizei um treinamento básico em CNV para gestores e utilizei o grok para tomarem contato com sentimentos e necessidades e foi muito útil, pois muitas vezes eles não sabiam nomear seus sentimentos e só conseguiam fazer isso com o apoio do grok!

Enviado por: Ana Barreira
Ambiente usado / Área de atuação: RH
Grupo com adolescentes vítimas de violência
Educação

Utilizamos o Grok nos grupos com adolescentes vítimas de violência no CREAS.
Observamos que eles apresentaram conteúdos mais detalhados sobre eventos passados do que com estratégias anteriormente utilizadas.

Enviado por: Erica Estevam
Ambiente usado / Área de atuação: Assistente social
Uso do Grok em grupo de prática em CNV
Facilitação

Conduzo grupos de prática em Comunicação Não Violenta. No ultimo encontro utilizei o Grok para apoiar nossa prática que era em torno da identificação e autoresponsabilidade e incremento do vocabulário sobre sentimentos.

As participantes adoraram o Grok por vários motivos mas talvez o que chamou mais atenção foi o contato que elas tiveram com a nomeação de um repertório vasto de sentimentos. Puderam experienciar o quanto que no dia a dia limitamos nosso vocabulário e consequentemente dificultamos nossa conexão com nosso mundo interno e com o que necessitamos.

Pretendo usar muito mais o jogo ao longo das práticas do grupo. E provavelmente, como já aconteceu, ampliando muito a compreensão e o engajamento das pessoas em prol da não-violência.

Enviado por: Silvia Psi
Ambiente usado / Área de atuação: Psicóloga e facilitadora de CNV
Treinamento e Diversidade
FacilitaçãoTrabalho e carreira

Eu utilizei o Grok em um treinamento de diversidade como forma das pessoas perceberem que cada um percebe e vive necessidades e sentimentos de uma forma diferente e que a diversidade não está apenas naquilo que os olhos estão vendo.
Pedi que ficasse em dupla e cada um recebeu uma carta de sentimento e uma de necessidade e cada um teria 10 minutos para falar como se relacionada com essa necessidade e com esse sentimentos. O papel do outro era apenas escutar, sem interromper ou questionar, pois a ideia era exercitar também a escuta e a conexão.
Ao final eles tinham que trazer para roda qual a percepção que tiveram ao observar a pessoa falando daquela necessidade e sentimento, o que era parecido e o que era diferente. Assim refletimos sobre o quanto precisamos nos abrir para a escuta antes de julgar ou rotular.

Enviado por: Aline Lima
Ambiente usado / Área de atuação: Educadora Emocional e Designer de Experiências
Estou jogando eventualmente, com amigos que aparecem com problemas pessoais… Sempre aparecem…
Relações

Estou jogando eventualmente, com amigos que aparecem com problemas pessoais… Sempre aparecem… Então, desde que estou com o Grok em mãos, os convido a brincar de Spock (de Jornada nas Estrelas), personagem que encara as maiores tragedias com a sobrancelha erguida e o inesperado comentario: “fascinante”. É o que a CNV nos convida a fazer perante nossas mazelas pessoais.

Após nossas conversas, convido os a jogar as cartas. Trazemos as emoções para a luz do microscopio. Fazemos o mapeamento das emoções pertinentes com a ajuda das cartas. Bem depois, pq o processo da primeira etapa é demorado, passamos ao mapeamento das necessidades não atendidas… Meu relacionamento com meus amigos é um constante exercício da escuta empática, e o Grok é o suporte do exercício, geralmente jogado no final dos nossos encontros. Como sempre em mudança está o futuro, ainda não sei como será o uso futuro do jogo. Com certeza, haverá evolução. Estou grata pela experiencia da qual estou participando com todos aqui. Um abraço grande a todos! Prossigamos.

Enviado por: Nani Braun
Ambiente usado / Área de atuação: -
Conversei com adolescentes sobre elaboração do luto
EducaçãoPsicologia

Tenho notícias inacreditáveis para vocês. Olha como o mundo é. Estava dentro da minha bolsa o Jogo Grok que eu encomendei para aquele meu amigo e que quis trazer para casa primeiro para poder escrever uma carta, fazer uma dedicatória e mandar para ele. Estava na minha bolsa, que eu o ia pôr no correios depois do trabalho. Era minha intenção. Ficou na minha bolsa segunda, terça e quarta. E aí na quarta fui chamada.

No meu trabalho eu faço às vezes algumas ações nas escolas. Fui fazer uma ação numa escola onde um adolescente se suicidou. E aí eu fui fazer uma ação com um grupo de adolescentes da sala dele e tal. E a ideia inicial não era, de forma alguma, trazer o Grok, trazer a comunicação não-violenta. A questão era mais essa coisa do luto, de elaborar o luto, das perdas, do suicídio, de outras coisas. E a gente ia fazer algumas dinâmicas. Do jeito que a coisa foi caminhando. Eles estavam super participativos. Eu nunca imaginei que teria tanta participação. Eu achei que teria que meio que forçando a participação.

Eu senti no meu coração: “Meu, faz todo sentido. Vou pegar e vou arriscar.” Eu nunca tinha tentando jogar até agora ainda o Grok. Eu já tinha visto, eu já tinha lido, explorei as cartas, mas não tinha tentado jogar com alguém. Imaginei formas de jogar mas ainda não tinha levado de uma forma mais coletiva assim. E ai no fim das contas acho que foi uma coisa meio inspirada. Peguei o jogo. Eram 16 adolescentes na sala. E fiz um tipo de, uma brincadeira com eles com o Grok. Foi muito legal.

O professor de biologia deles veio conversar comigo se eu poderia fazer a mesma coisa na reunião dos professores, porque ele achava muito importante para os professores porque a coisa está grave.

Enviado por: Estela Marcondes
Ambiente usado / Área de atuação: Terapia Ocupacional